Alojamento Local

De um processo muito difícil para legalizar rendas a curto prazo, um novo decreto-lei foi publicado em 2014, liberalizando esse processo. Essencialmente, este é um processo de auto-declaração, embora sujeito à inspeção municipal após o fato.
 
Em termos de tributação, inicialmente foi muito benéfico legalizar o processo, já que, em alguns casos, o imposto de renda real não ultrapassou cerca de 4% do volume de negócios.
 
Agora, para os detalhes:
 
Aluguel de curto prazo é um negócio como qualquer outro - está sujeito ao mesmo e todas as leis como qualquer outro negócio. Embora em alguns casos específicos, um processo mais simplificado talvez seja aplicável. Um negócio de aluguel de curto prazo, é efetivamente um "mini hotel" de acordo com a legislação portuguesa.
 
Para iniciar legalmente um negócio de aluguel de curto prazo:
 
• Registre um 'inicio de atividade' no escritório de impostos
• Registre-se no escritório do Turismo (geralmente através do município local 'Camara')
• Registre-se com a Autoridade de Controle de Fronteiras (Serviços de Estrangeiros e Fronteiras)
 
Há também outras obrigações, a saber:
 
• longa para uma organização de resolução de conflitos para resolver conflitos menores
• ter um livro de reclamações
• pertencer a um órgão de resolução de conflitos - tentar resolver conflitos menores
Há também características / problemas de segurança, que, se não for visto, significarão que, na inspeção, o "projeto" falhará:
 
• Kit de primeiros socorros
• Extintores de incêndio em cada andar
• cobertor de fogo na cozinha
• lista telefônica de emergência
• sinalização adequada (por exemplo, corte elétrico e gás)
 
Existem obrigações, embora não sejam obrigatórias, mas é aconselhável:
 
• Ter seguro para cobrir reivindicações de terceiros
• Certifique-se de que existam recursos de segurança apropriados especialmente para crianças, e. As varandas nas varandas não são horizontais, se assim for, então os recursos de segurança apropriados precisam ser adicionados.
 
Cada município tem uma interpretação ligeiramente diferente da lei, especialmente como o que é exigido em termos de regulamentos de segurança - geralmente melhor para acompanhar os requisitos locais do que ficarem ligados em disputas com a autoridade local.
 
 
Quanto às questões de contabilidade de tributação:
 
Em Portugal existem 2 sistemas para determinar a rentabilidade de uma empresa. Um contribuinte em certos casos pode optar por um conjunto abrangente de contas em que cada transação é registrada de acordo com o plano contábil nacional e assinada por um contabilista registrado localmente ou então, se o volume de negócios anual (no caso de um contribuinte não incorporado) É inferior a € 200,000.00. Optar por uma lucratividade considerada determinada pela autoridade fiscal. No caso de curto prazo, o lucro estimado é de 35%. Isto é, 65% são considerados custos operacionais.
 
A partir do ano fiscal de 2017, um contribuinte também pode optar por uma terceira opção de base simplificada, na medida em que o lucro talvez seja determinado de acordo com o lucro real, ou seja, o volume de negócios - despesas atribuíveis diretas (as finanças e a depreciação não são dedutíveis. Mobili��rio etc). Esta opção talvez seja útil se as despesas forem superiores a 65% dos custos operacionais.
 
Quanto ao imposto de renda
 
O rendimento determinado por 1, 2 ou 3 acima estará sujeito ao imposto de renda. Para os contribuintes residentes, se for tributado na opção 1 acima, o lucro líquido será adicionado aos outros rendimentos do contribuinte e sujeito a imposto na taxa de imposto marginal do contribuinte individual. Se o rendimento for determinado na terceira opção, o contribuinte tem a opção de tributação a taxas marginais ou de 28% (de fato, colocando um limite máximo na tributação)
 
Para os contribuintes estrangeiros, o rendimento determinado acima é tributado em 25% (efectivamente 8,75% do volume de negócios (35% x 25% no caso do regime simplificado), mas no caso dos contribuintes residentes na UE, eles têm uma opção Ao serem tributados a taxas marginais levando em consideração todos os seus rendimentos. Neste caso, eles terão que divulgar seus rendimentos estrangeiros (as autoridades fiscais locais terão então a opção de verificação cruzada com os países "domésticos").
 
Outras obrigações tribut��rias:
 
Se algum pagamento for feito para empresas de outros países, o contribuinte deve:
• obter certificados de residência fiscal do provedor de serviços no formato apropriado
• ou os impostos de retenção à taxa de 25%
 
Ganhos de capital
 
Se uma propriedade no AL possuída e operada pelo proprietário for vendida e os ganhos de capital resultarem disso, então estará sujeito a imposto de renda. Existe um desconto de 5% - o saldo sendo adicionado aos outros "rendimentos" dos contribuintes.
 
IVA
 
O regime AL é classificado no regime hoteleiro e está sujeito a imposto com taxa mínima de 5% na Madeira e 6% no continente. Para fins práticos, 6% podem ser considerados a taxa normal para os contribuintes estrangeiros sem um representante fiscal local (residentes da União Européia). Isto é aplicável se o volume de negócios projectado for mais de 10 000 euros por ano, ou então, se o volume de negócios do ano anterior for superior a 12 500 euros, a alteração do regime deve ser efectuada em Janeiro do ano 2. Os retornos do IVA são apresentados Trimestralmente, a menos que o volume de negócios anual exceda 650 000,00 €, o que é improvável nesse tipo de empresa.
Claro que o IVA determinado acima é excluído na determinação do valor declarável para fins de IVA.
Os retornos trimestrais do IVA são devidos no 45º dia seguinte ao trimestre.
 
As faturas do exterior estão sujeitas a IVA - se a empresa estiver registrada para o IVA, o no mecanismo reverso, isto é, cobrar e deduzir o IVA simultaneamente. No caso de empresas não registradas para o IVA, o IVA não pago, é pago mensalmente à autoridade fiscal.
 
CONTROLE DE FACTURA
 
Os contribuintes têm a opção de registrar todas as faturas diretamente no banco de dados da autoridade fiscal, ou seja, emitir a fatura no "sistema" ou então comprar / alugar um sistema de faturamento devidamente autorizado e emitir as faturas em tal sistema. O contribuinte tem um limite de 5 dias após fornecer um serviço para emitir tais faturas. No caso de faturas produzidas pelo próprio sistema, elas devem ser reportadas (arquivos enviados eletronicamente) no vigésimo do mês subseqente
 
 
CONTROLE DE EXERCÍCIOS
 
Toda entrada de um estrangeiro deve ser reportada ao SEF (ver acima - registro).
 
 
SEGURANÇA SOCIAL (SS)
 
Embora, em certos casos, as contribuições do SS não sejam devidas, a empresa, o contribuinte, também deve se registrar na autoridade fiscal.
 
No caso em que o contribuinte é pensionista ou já contribui para um sistema de segurança social, a prova deve ser feita. No caso dos residentes da UE, isto é através do formulário A1 emitido pelas autoridades de segurança social do país de residência.
 
As contribuições da Segurança Social sobre o regime simplificado normalmente são devidas a partir de outubro do ano 2 da operação, onde a prova de isenção / contribuição para outro sistema não foi feita. A base para calcular a contribuição da segurança social é de 70% do volume de negócios a uma taxa de 29,6% (embora a contribuição específica seja baseada em bandas que podem ser ligeiramente abaixo ou acima dessa base de 70%). No momento, não é absolutamente claro se a segurança social é aplicável aos contribuintes na terceira opção (imposto de renda) ver acima).
 
OUTROS PROBLEMAS
 
Atualmente, há um debate em curso e casos judiciais e também possíveis futuras alterações à legislação sobre se será necessário obter autorização de outros proprietários em complexos de apartamentos para permitir propriedades em arrendamentos de curto prazo. Isso, naturalmente, não será aplicável a unidades autônomas.
 
TAXAS ECO / TURISMO
 
Alguns municípios, nomeadamente Lisboa, Cascais e Santa Cruz na Madeira, instituíram impostos turísticos. Estes são normalmente cobrados por cabeça / por dia - normalmente aplicável aos adultos. A taxa aplicável em Santa Cruz é de € 1 por dia com um máximo de € 5 por pessoa por estadia.
 
DOCUMENTAÇÃO
 
Para registrar uma propriedade sob o regime local do alojamento, os seguintes documentos são geralmente necessários (estes podem diferir um pouco do município para o município):
 
• Certidão do registro predial (extracto do escritório de escrituras)
• Caderneta predial (registro de imposto da propriedade)
• Cópia do contrato de aluguel se o imóvel alugado, ou cópia da cessão, se a propriedade for cedida sem consideração
• Se feito por um terceiro - poder de advogado
• Cópia de identificação / passaporte.
 
 
Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência de usuário. Ao usar o site, você confirma que aceita o uso de cookies de acordo com nossa política de privacidade.   Saiba mais